14 de julho de 2017

Mesdames et messieurs les ministres et parlementaires,
Chers collègues,
Chers compatriotes, chers amis,

Gostaria primeiramente de agradecer ao Senhor Carlos Gontijo e ao maestro Claude Brendel, que veio especialmente de Paris para este evento, por terem nos proporcionado esse agradável momento musical com a orquestra da Polícia Militar de Brasília.

Senhoras e Senhores,
Na França, há algumas semanas, a democracia mostrou sua voz. Apesar do aumento do populismo, e das provações enfrentadas por nosso país nos últimos meses, a França escolheu voltar-se para o futuro, no qual se projeta de forma confiante, permanecendo fiel aos seus compromissos europeus e aos seus valores de liberdade, igualdade e fraternidade.
Muitos dos nossos amigos brasileiros expressaram a sua simpatia pela escolha dos franceses, e sou-lhes muito grato por isso.

Senhoras e Senhores,
O velho continente europeu sabe, certamente mais do que qualquer outro, por experiência, o que os excessos do nacionalismo lhe custaram. Nós sabemos que nossas nações são ainda mais fortes quando trabalham juntas.

É por essa razão que o Presidente da República, Emmanuel Macron, reafirmou a vontade da França de permanecer na linha de frente da luta pelos direitos humanos.

Por ocasião do G20, ele anunciou sua decisão de realizar, dia 12 de dezembro, dois anos após o acordo de Paris, uma nova Cúpula no intuito de desenvolver mais ações para o clima, deixando muito claro que nosso objetivo comum continua sendo o de «make our planet great again ».
E nós sabemos que podemos contar com o Brasil nessa luta. Desde a Cúpula da Terra, realizada no Rio de Janeiro, 25 anos atrás, o Brasil tem participado de todos os combates pelo planeta. Entre seus feitos destaca-se sua contribuição para o sucesso do Acordo de Paris; pela qual lhe somos especialmente gratos.

Senhoras e Senhores,
Neste ano, para não abusar da paciência de vocês, nós decidimos exibir nos telões os principais eventos que marcaram nossa relação bilateral ao longo dos últimos meses, especialmente a visita do Presidente da República por ocasião da magnífica cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a qual foi muito enriquecedora para Paris no âmbito de sua candidatura para os Jogos de 2024.

Tal como o Rio de Janeiro, Paris colocou seus atletas e seus valores olímpicos no centro do seu projeto para sediar os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2024. A promessa da França é a de Jogos espetaculares, portadores de paixão e sentido, baseados na partilha e realizados no centro de uma cidade global.

O comitê internacional olímpico já reconheceu a grande qualidade da proposta parisiense e eu espero que daqui a algumas semanas os esforços desse movimento esportivo francês sejam recompensados.

Convido todos a apoiarem essa iniciativa tirando uma foto em frente a nossa Torre Eiffel Paris 2024, situada na entrada da Residência, e compartilhando-a nas redes sociais com a hashtag (rèchtèg) Paris 2024.

Senhoras e Senhores,
Minha esposa e eu agradecemos novamente por sua presença e amizade.
Gostaríamos também, infelizmente, de nos despedir. Quando o dever nos chama, temos que ir. E dessa vez o destino é Paris, onde muito em breve estarei exercendo um novo cargo.
E quaisquer que sejam as funções que nos forem atribuídas no futuro, estejam certos de que o nosso compromisso com a amizade entre o Brasil e a França estará sempre presente.

A título das minhas futuras funções, gostaria de reafirmar o desejo da França de ver cada vez mais estudantes, empresários e turistas brasileiros vindo descobrir o nosso país, o qual sempre os acolherá com braços abertos.
Desejo uma excelente noite a todos.

publié le 17/07/2017

haut de la page