Projeto de sustentabilidade consolida consumo consciente na Embaixada da França

Economia de água, energia elétrica, papel, produtos de informática, copos plásticos... Desde a adoção do projeto Embaixada Verde de sustentabilidade a prática do consumo consciente vem transformando o dia a dia na Embaixada da França ao reduzir o impacto da representação diplomática sobre o planeta e fornecer qualidade de vida para seus funcionários.

JPEG

Um dos destaques foi a dimunuição de mais de 80% dos gastos com papel e com produtos de informática, após a substituição das impressoras individuais por impressoras em rede. Outra iniciativa de peso foi a troca dos copos plásticos por copos recicláveis à base de amido de milho. Desde setembro do ano passado, quando ocorreu a mudança, a embaixada deixou de lançar mais de 37 mil copos plásticos na natureza.

A redução de 26,48% do consumo de energia elétrica, entre 2014 e 2016, por meio da substituição de 750 lâmpadas fluorescentes por lâmpadas LED e da instalação de sensores de presença, foi outra grande conquista, seguida da diminuição de cerca de 2/3 do consumo de água, obtida com a instalação do sistema de rega automática, no final do ano passado.

Outra novidade foi a antiga quadra de tênis que deu lugar a um jardim com plantas como as PANC (Plantas Alimentícias Não-Convencionais) e uma horta, totalmente orgânica, que garante a produção de hortaliças para o consumo interno da Residência Oficial do Embaixador.

“A Embaixada da França no Brasil adequa-se ao movimento Embaixada Verde, do Ministério francês da Europa e das Relações Exteriores, cujo objetivo é tornar as embaixadas francesas comprometidas com o desenvolvimento sustentável”, destaca o Embaixador Laurent Bili. À frente do projeto, Marie Rossignol acrescenta que “a sinergia do conjunto de ações já implementadas gera progressivamente uma mudança de mentalidade que nos faz tomar consciência da importância do respeito ao meio ambiente em nossas atividades diárias”.

ALMOÇO À FRANCESA
A abertura de uma cantina foi outra ação relevante da embaixada, na busca pela preservação ambiental. Desde o incício do ano, os funcionários passaram a ter a opção de fazer suas refeições no local de trabalho e, com isso, não dependendo mais de sair de carro para fazerem suas refeições. Pelo menos 20 almoçam diariamente no local. Imaginando um trajeto de 10km de ida e volta a um restaurante, podemos considerar que a presença na cantina permite uma economia diária de 3,46 kg de Co2, ou de 13,84 tonneladas de Co2 por ano.

Uma das beneficiadas foi a adida de políticas públicas Larissa Colovatti. Para ela, não precisar mais deixar a embaixada no horário de almoço foi um ganho de qualidade de vida. “Minhas despesas com combustível caíram pela metade, sem falar da redução do estresse por não precisar mais entrar no trânsito nesse horário”.

JPEG

publié le 14/07/2017

haut de la page