Reimposição de sanções pelos Estados-Unidos em consequência de sua saída do Plano de Ação Global Comum (JCPOA)

Declaração conjunta da Alta Representante Federica Mogherini e dos ministros das Relações Exteriores do grupo E3 (Jean-Yves Le Drian, pela França; Heiko Maas, pela Alemanha; e Jeremy Hunt, pelo Reino Unido)

Declaração conjunta da Alta Representante Federica Mogherini e dos ministros das Relações Exteriores do grupo E3 (Jean-Yves Le Drian, pela França; Heiko Maas, pela Alemanha; e Jeremy Hunt, pelo Reino Unido) decorrente da reimposição de sanções pelos Etados-Unidos em consequência de sua saída do Plano de Ação Global Comum (JCPOA).

Nós lamentamos fortemente a reimposição de sanções pelos Estados-Unidos decorrentes da sua saída do Plano de Ação Global Comum (JCPOA).

O JCPOA funciona e produz resultados conformes a seu objetivo, a saber, agir para que o programa iraniano torne-se exclusivamente pacífico, como comprovaram os onze relatórios consecutivos da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Ele constitui um elemento fundamental da arquitetura mundial e de não proliferação nuclear, essencial para a segurança da Europa, da região e do mundo inteiro. Nós esperamos que o Irã continue a implementar plenamente todos os compromissos na área nuclear que assumiu.

A suspensão de sanções relativas ao nuclear é uma parte essencial deste acordo. Ela visa a obter uma incidência positiva, não apenas nas relações comerciais e econômicas com o Irã mas, igualmente, e sobretudo, na vida do povo iraniano. Estamos empenhados em proteger os atores econômicos europeus que mantêm relações comerciais legítimas com o Irã, conforme a legislação europeia e a resolução 2231 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Por esta razão, a lei anti-boicotagem atualizada da União Europeia entra em vigor dia 7 de agosto, para proteger as empresas da UE que mantêm relações comerciais legítimas com o Irã diante dos efeitos de sanções extraterritoriais por parte dos Estados-Unidos.

Os países que compõem as partes no âmbito do JCPOA comprometeram-se a agir, especialmente, para preservar e manter os circuitos financeiros efetivos com o Irã e para assegurar a continuidade das exportações de petróleo e gaz iranianos. Nessas e outras áreas, nosso trabalho continua, especialemente junto a outros países que desejam apoiar o JCPOA e manter relações econômicas com o Irã. Esses esforços serão intensificados e serão tema, nas próximas semanas, de um teste em nível ministerial.

A preservação do acordo nuclear com o Irã inscreve-se no âmbito do respeito aos acordos internacionais , sendo de suma importância para a segurança internacional.

publié le 20/08/2018

haut de la page