Segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável: a estratégia francesa

A insegurança alimentar atinge atualmente 1 de cada 9 pessoas do mundo. Apesar dos esforços empreendidos, a situação vem piorando desde 2015. Em 2050, será necessário alimentar 10 bilhões de seres humanos, e isso será afetado pelos efeitos das alterações climáticas. Para que este objetivo seja alcançado, é imprescindível que os sistemas agrícolas e alimentares sejam adaptados para apoiar o desenvolvimento rural sustentável.


Segurança alimentar e nutricional

A França adotou a definição de segurança alimentar e nutricional do Comitê mundial de segurança alimentar (http://www.fao.org/cfs/cfs-home/fr/): A segurança alimentar e nutricional existe a partir do momento que os seres humanos dispõem, de maneira regular, das possibilidades físicas, sociais e econômicas para terem acesso à uma alimentação que seja suficiente, saudável e nutritiva, que satisfaça suas necessidades e escolhas alimentares, de modo possam levar uma vida saudável e ativa.

Desnutrição:
A desnutrição é um estado nutricional precário, devido à ingestão insuficiente de nutrientes em termos de quantidade e qualidade, ou da má assimilação de nutrientes pelo organismo.

Contexto mundial

A fome vem aumentando ao longo dos últimos anos; os avanços alcançados no que se refere à solução da desnutrição são muito lentos, e a obesidade cresce em todas as regiões do mundo:

  • Mais de 2 bilhões de pessoas, ou seja 26.4% da população mundial se encontram em situação de insegurança alimentar grave ou moderada.
    • 820 milhões de pessoas estão em situação de insegurança alimentar grave, ou seja, estão passando fome.
      • 6 de cada 10 pessoas atingidas pela fome moram em países em conflito
      • 6 de cada 10 pessoas atingidas pela fome são mulheres
    • 1.3 bilhões de pessoas estão em situação de insegurança alimentar moderada, ou seja, não tem acesso regular aos alimentos saudáveis e nutritivos em quantidade suficiente.
  • A obesidade atinge atualmente 670 milhões de adultos e também está se tornando um problema sério.
  • A África é a região mais afetada pela insegurança alimentar e nutricional: 20% de sua população é subnutrida; a desnutrição ainda se faz amplamente presente e o numero de obesos também cresce rapidamente.
    Não é a comida que falta, e sim as alterações climáticas, os conflitos e a pobreza das comunidades rurais que dificultam o acesso, a disponibilidade regular e a qualidade dos alimentos próprios para o consumo.
    O acesso a uma alimentação de boa qualidade é uma condição indispensável para o desenvolvimento humano. O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 2 é de que o mundo possa estar livre da fome até 2030.

Como lutar contra a insegurança alimentar?

Para acabar com as desigualdades e poder alimentar adequadamente toda a população mundial, é necessário modificar os sistemas agrícolas e alimentares. A agricultura deve ser mais sustentável nos aspectos econômicos, sociais e ambientais, a fim de garantir a segurança alimentar e a saúde dos indivíduos, bem como o desenvolvimento de cada país.

As 5 prioridades da nova Estratégia internacional da França para a segurança alimentar, a nutrição e a agricultura sustentável (2019-2024) são:

1. Fortalecer a governância mundial em termos de segurança alimentar e nutrição. A França se dispõe a assumir o protagonismo neste aspecto, para melhorar a eficácia e a coordenação dos diversos atores internacionais envolvidos; instituições da ONU baseadas em Roma exercem um papel central nesta governância;

2. Desenvolver sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis, para enfrentar as alterações climáticas e a erosão da biodiversidade. Este aspecto é ligado principalmente às práticas agrícolas sustentáveis, como a agricultura ecológica.

3. Fortalecer a ação francesa no que se refere à nutrição, atuando de forma integrada sobre os diversos fatores que levam à subnutrição na primeira infância, de mulheres gravidas e lactantes, como o acesso a alimentos de qualidade, à agua potável e ao saneamento básico.

4. Apoiar a estruturação de iniciativas agroalimentares sustentáveis, favorecendo a criação de empregos decentes em territórios rurais, principalmente para os jovens. De fato, nos países em desenvolvimento, as alternativas agroalimentares representam uma fonte de empregos a ser incentivada. A inclusão da agricultura familiar nos projetos é uma questão crucial.

5. Fortalecer ações de assistência alimentar junto às populações vulneráveis e melhorar a sua resiliência. Num contexto de crises alimentares recorrentes, é importante permitir que essas populações tenham autonomia alimentar.

O que a França está fazendo a respeito?

A França assumiu o compromisso de garantir que todos tenham acesso à alimentação saudável, nutritiva e suficiente, principalmente através das seguintes ações:

• Projetos de campo da Agencia Francesa de Desenvolvimento, que investiu em 2018 935 milhões de euros no desenvolvimento agrícola e na segurança alimentar,
• Sua ação diplomática junto à entidades da ONU e também junto à União Europeia, no âmbito do G7 e do G20,
• Programas dos organismos franceses de pesquisa, como o CIRAD, o IRD e o INRA,
• E um programa de ajuda alimentar estruturado, que já disponibilizou 40 milhões de euros em 2019 para ajudar populações a se estabelecerem na base da autonomia alimentar com seus próprios meios de produção, melhorando assim a resistência das mesmas às futuras crises potenciais.

- Estratégia internacional da França de segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável

Para obter mais informações sobre a politica francesa de desenvolvimento: https://www.diplomatie.gouv.fr/fr/politique-etrangere-de-la-france/developpement/politique-de-developpement-la-strategie-de-la-france/

publié le 28/10/2019

haut de la page